quarta-feira, 18 de novembro de 2009

acordei do meu sono secular e minha carne ainda é carne ,o coração ainda bate e o sonho ainda respira.....

quarta-feira, 29 de julho de 2009

pecado original

Penumbra ,Misterio e magia
Corpos entreleçados na Embriaguez da orgia
Na excentricidade do complexo
Fantasia ,desejo e sexo
Quero o Sangue da uva a carne da vulva
A carne crua,a beleza nua,
Do âmago ao meio a auréola do seio
Primitiva Alquimia da mais fina poesia
Atração e sedução química da paixão
Carne,boca e lingua na mesma rotação
Simbiose espiritual,magia sexual
Purificação em liberdade do instinto natural
Eros manifesta-se no antropofágico ritual
Virgindade é sacrificada no êxtase do bacanal
Sem tabus e preconceitos gênero ou pudor
Porque está além do bem e do mal toda forma de amor...

Don Mardon D´Mello

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Versos e Versos

Versos e Versos

Por meus ambíguos e andrógenos versos te apaixonaste
Persuadi, seu estéril e eunuco coração a me amar
Com meus ácidos e mórbidos versos te magoaste
Prematuramente, ódio e amor no seu ventre brotar

Com meus benignos e imaculados versos abençôo
A quem sincera e calidamente do fundo do âmago apreciar
Com meus malignos e obscenos versos amaldiçôo
A quem covarde, hipócrita e injustamente me prejudicar

Meus versos são o alívio da mentira na corrosiva verdade
A virtude na necessária e confortante falsidade
A louca loucura com um sublime sinto racional

Meus versos são humanamente humanos, exalam o bem e o mal
Uma tétrica eutanásia poética
Para um paciente apaixonado pela vida em câncer terminal

Mardon Mello

Complexo de poeta

Complexo de poeta

Nascemos e morremos todos os dias
Vítima da dores e das alegrias
Às vezes Não sei se estou vivo ou morto
Sou uma dádiva de Deus ou um falho aborto.

Existe vida plena após o parto?
Ou somente uma insípida existência a qual estou farto
Onde sepultaram a inspiração viva que tanto procuro
A Fonte de vinho inesgotável,o jardim secreto eo paraíso seguro?

Dúvidas ,êxtase,indagações e dores
Síndrome de quem vive o drama
Sonhando Às custas de maus amores
Coração em pedaços,maldições declama

Só me sinto vivo nos teus braços
quando teu corpo quente paixão derrama
até ao inferno seguirei seus passos
que seja meu túmulo a sua cama

Mardon mello

Amor,abstração concreta

Amor abstração concreta

o amor tem a beleza peculiar da sua face
expressiva e renascentista pintura
que segredos e tristeza nunca disfarce
seja sincera e pura como a loucura


o amor tem a cor dos seus olhos penetrantes
espelho que me conforta e acalma
somente alegria e felicidades os deixem lacrimejantes
a ti pertencem meu coração e minha alma

o amor tem a maciez e suavidade da sua pele primaveril
ao tocá-la meu coração fica excitado
meu pescoço ferido e arrepiado
num cálido e sangrento beijo frio

o amor tem o sabor úmido e inefável de seu beijo
a volptuosidade da sua mordida
que estraçalha a carne de desejo
me fazendo gozar nessa vida

o amor tem o cheiro dos teus cabelos
jardim onde sepulto meu sentido
meus desejos não posso mais contê-los
ápice,erupçao,catarse de amor e de libido

o amor tem o calor do teu abraço
magia que me faz esquecer do mundo
nossos corpos entrelaçados têm ritmo e compasso
sem vc a eternidade não vale um segundo


o amor tem a forma delicada e bem talhada do seu pequeno corpo
mãos humanas jamais conceberiam tão sublime escultura
quero habitar os sonhos, vivo ou morto,
da mais onírica criatura


o amor tem o brilho explosivo do seu sorriso
miraculosa radiação que dissolve a mais tenebrosa escuridão
cegando o mais cético juízo
seminando no cristalizado coração uma etérea paixão
revelando no universo um oculto paraiso


o amor tem a música mefistofélica da sua gargalhada
provocante e pagã melodia
num concerto romântico na madrugada
da mais apaixonante sinfonia

o amor e real como um sonho
transcende o tempo e imensidão do espaço
imensurável felicidade
que cabe no abraço
que exorcisa toda a solidão de uma existência triste
júbilo e esperança me embriagam
sussurraram no meu ouvido que o amor existe.

Mardon Mello

Enterrada viva

Enterrada viva

hoje,seu fantasma bateu na minha porta
trazendo a caveira da nossa paixão morta
minha alegria foi tão melancólica
por contemplar sua beleza fantasmagórica
você foi a melhor história da minha vida
os fragmentos de uma felicidade nunca lida
a solidão excitava meu pensamento
cerrei os olhos e te desejei naquele momento
minha carne sentia fome do nosso sentimento
abri os olhos ,sua imagem apareceu para o meu tormento
você veio dentro de uma garrafa de vinho
me seduziu no meu estado mais vulnerável ,embriagado e sozinho
renasci no fatídico quarto invocado pelo embalo da nossa canção
inalei seu inebriante perfume que impregnava meu colchão
consumei amor com nossas cálidas lembranças
tentei o suicídio me enforcando com suas tranças
experimentei o êxtase da voluptuosa loucura
fornicando no céu com um fantasma que fugiu da sepultura
alma-penada retorne ao seu sagrado cemitério
seu amor eterno é um grande despautério
te exorciso ,saia,do meu coração tranquei a escancarada porta
o jardim secou e você é uma flor murcha e morta
que os moinhos de ventos cortantes do inverno
te soprem para o abismo do inferno
spectro ,meu peito não é mais o seu porto
hoje,nosso amor é um sentimento morto
te enterrei nas profundezas do meu coração
onde não existe a graça da reencarnação
do meu mundo você nunca mais será a diva
porque tu estás morta
te enterrei ainda viva...

Mardon Mello

Canibalismo Romântico

canibalismo romântico

Com meu olhar carnívoro te devoro
pedaço de carne e saia modelada pelas próprias mãos de Deus
no paraíso do céu da carne com você um dia eu moro
e todos os meus gemidos e orgasmos serão seus

Com minha mente carnívora eu te devoro
minha virgem e sensual inspiração
para os torturantes e prazerosos momentos de solidão
pois a tua figura calipígia eu já decoro

Com meu amor carnívoro eute devoro
minha platônica e ardente paixão
os segredos do teu corpo um dia exploro
saciando a fome da minha ávida imaginação

nasça logo antropofágico dia
te exorciso do ventre da minha fantasia
saia dos bordéis da minha mentalidade
venha mistificar minha insípida realidade
com você não posso só sonhar
pois o meu coração o estômago começa a estuprar
se esse pecaminoso incesto perdurar
um gozo de sangue vai jorrar

ai que dor
essa sedenta fome de amor
que a mente sã excita
que a carne crua grita
seu amor tenho que saborear
sua carne branca e macia me alimentar
num poético banquete
no aconchego da cama
bebendo saliva
e comendo carne humana

no caldeirão da minha cama seu corpo vai ferver
vou te temperar vou te amar
vou te chupar vou te lamber
em um romântico jantar com a chama da paixão acesa
com a cama macia transformada em mesa

os guardanapos serão os lencóis
no calor do meu quarto nóis dois a sós
minhas mão são garfo ,faca e colher
cortam sua roupa e levam à minha boca
seus pedaços de mulher

nesse antropófagico ritual
tu és o prato principal
para esse apaixonado e romântico canibal

Mardon Mello